Revista Brasileira de

Terapias e Saúde



Eder João de Arruda, Jefferson Hisamo Kitamura, Taila Penteado Chaves, Carlos Alberto da Silva, André Lico Mascarim. Comportamento exploratório e ansiolítico de ratos e ratas submetidos à estimulação somatossensorial. Revista Brasileira de Terapias e Saúde, v. 2, n. 1, p. 7-12, 2011.

DOI icon10.7436/rbts-2011.02.01.02 PDF



Resumo: Contextualização: No mundo todo, a pesquisa científica evolui com expressividade no que diz respeito a investigações realizadas em animais. No entanto, pouco se sabe sobre a influencia da estimulação somatossensorial envolvida no manuseio experimental. Objetivo: Avaliação do comportamento ansiolítico de ratos submetidos ao manuseio similar a de procedimentos experimentais, por meio da estimulação somatossensorial. Métodos: A partir da idade pós-desmame, os animais foram separados em 4 grupos (n=10), a saber; fêmea estimulada (FE), fêmea não estimulada (FNE), macho estimulado (ME) e macho não estimulado (MNE). A estimulação foi realizada 5 vezes por semana durante 3 meses. O comportamento exploratório, bem como o ansiolítico, foram avaliados por meio do campo aberto (CA) e labirinto em cruz elevado (LCE). A estatística foi baseada nos testes ANOVA e Tukey (p<0,05). Resultados: Constatou-se que os grupos FE e ME apresentaram maior atividade exploratória (44% e 28% respectivamente) em relação aos outros grupos. Em relação à ansiedade, o grupo FE apresentou-se 16% mais ansioso que o FNE (p<0,05). Surpreendentemente, o grupo ME apresentou-se 433% menos ansioso que o MNE (p<0,05), visto que o maior tempo de permanência nos braços fechados do LCE é indicativo de ansiedade. Conclusão: Conclui-se que a estimulação somatossensorial realizada em ambiente laboratorial pode alterar o comportamento exploratório e ansiolítico dos animais em experimentação. Sugere-se que as condições experimentais sejam o mais homogêneas possível.

Palavras-chave: Ratos, Estimulação Somatossensorial, Comportamento Exploratório, Comportamento ansiolítico..

Abstract: Contextualization: Worldwide, scientific research evolves with expression with respect to investigations carried out on animals. However, few is known about the influence of somatosensory stimulation, involved in experimental handling. Objective: Evaluation of the anxiolytic and exploratory behavior of rats similar to the handling of experimental procedures, by means of somatosensory stimulation. Methods: From the old post-weaning, the animals were separated into 4 groups (n=10), namely, stimulated female (FE), non-stimulated female (FNE), stimulated male (ME) and non-stimulated male (MNE). Stimulation was performed five times a week for 3 months. The exploratory and anxiolytic behaviors were assessed using the open field (OF) and elevated plus maze (EPM). The statistical analysis was based on the ANOVA and Tukey (p<0.05) tests. Results: We found that the FE and ME groups had a higher exploratory activity (44% and 28%, respectively), related to the other groups. Regarding anxiety, the FE group was 16% more anxious that the FNE (p<0.05). Surprisingly, group ME was 433% less anxious than the MNE (p<0.05), since the larger time spent in the closed arms of the EPM is indicative of anxiety. Conclusion: We conclude that somatosensory stimulation performed in the laboratory can change the anxiolytic and exploratory behavior of animals in experiments. It is suggested that the experimental conditions are most homogeneous as possible.

Keywords: Rats, Somatosensory stimulation, Exploratory behavior, Anxiolytic behavior.


Omnipax Editora
omnilogo