Revista Brasileira de

Terapias e Saúde



Márcia Akemi Yamada, Sandra Silvério-Lopes. Mapeamento do conhecimento e interesse pela acupuntura de usuários de unidades de saúde da família em Londrina (PR). Revista Brasileira de Terapias e Saúde, v. 2, n. 2, p. 45-50, 2012.

DOI icon10.7436/rbts-2012.02.02.04 PDF



Resumo: Contextualização: No Brasil, a acupuntura como especialidade terapêutica está amparada pela Politica Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), e deveria ser extendida à população através do Sistema Único de Saúde (SUS). Embora suas origens sejam milenares, no ocidente ainda é cercada por desconhecimentos que podem ser regionais. Objetivo: Mapear o conhecimento e interesse em relação à acupuntura dos usuários de Unidades de Saúde da Família (USF) da cidade de Londrina (PR). Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo, transversal e descritivo. A coleta de dados foi feita por meio de questionários pré-elaborados. Foi selecionada uma USF de cada região na condição aleatória, somando-se cinco unidades. A amostra constituiuse de 400 usuários sendo de ambos os sexos e acima de 18 anos, sendo que 81% possuíam no mínimo o ensino fundamental ou médio. Resultados: 86,8% dos entrevistados têm algum conhecimento sobre acupuntura, entretanto 86% nunca realizaram este procedimento. Porém, 61,8% aceitariam ser tratados com a acupuntura, uma vez ofertada pelo SUS. O alívio de dores e estresse são mais conhecidos pela população estudada como possível recurso terapêutico da acupuntura, somando-se 70,7% de todas as respostas. A média de valores que se pagaria em uma sessão é de R$ 20,00 a R$ 30,00, sendo que 18,8% não poderiam pagar nada. Conclusão: A população estudada demostra ter conhecimento sobre a acupuntura em especial como tratamento de dores e estresse, muito embora poucos tenham se tratado com esta terapia. Recomenda-se que os órgãos públicos competentes.

Palavras-chave: Acupuntura, Atenção primária à saúde, SUS, PNPICS, USF.

Abstract: Background: In Brazil, acupuncture as a therapeutic specialty is sustained by the National Policy of Integrative and Complementary Practices (PNPIC), and should be extended to the population by means of the National Health System (SUS). Although the origins of acupuncture is ancient, in western countries it is still surrounded by ignorance, which can be regional. Objective: Mapping the knowledge and interest related to acupuncture users of Family Health Units (USF) in Londrina (PR). Methodology: This was a cross-sectional and descriptive study. Data collection was accomplished by means of pre-prepared questionnaires. A USF from each region of the city was randomly selected, up to five of them. The sample consisted of 400 users of both sexes over 18 years, of which 81% had middle or high school. Results: 86.8% of respondents have some knowledge about acupuncture, but 86% never did this before. However, 61.8% would be interested to be treated with acupuncture, once it is offered by the SUS. The relief of pain and stress are well-known by the population as a possible therapeutic action of acupuncture, reaching up 70.7% of all replies. The average values that they would pay for a session is between R$ 20.00 and R$ 30.00, and 18.8% could not afford for the treatment. Conclusion: The population studied showed to have some knowledge about acupuncture, specially for the treatment of pain and stress, although few were treated with this therapy before. It is recommended that public agencies, by their means, seek appropriate ways to enable accessibility of acupuncture to primary
care users.

Keywords: Acupuncture, Primary health care, SUS, PNPICS, USF.


Omnipax Editora
omnilogo